Backstage


Fui dona de uma cozinha aos 23 anos e apesar de "pro" em sobremesas, nada mais sabia preparar. No início passava horas a elaborar uma refeição, seguindo rigorosamente as receitas de livros. Por isso decidi desde cedo ensinar os meus filhos a cozinhar.

Primeiro o Tiago, eu no fogão e ele no seu armário roubado aos tachos, com um volante improvisado de uma tampa. Depois o André insaciável de novos ingredientes. O crescimento deles determinou os módulos de aprendizagem. As receitas que aqui encontram são reflexo dessa variedade.
Dos felizes e saudosos tempos da cozinha a seis mãos, guardo livros com impressões digitais mínimas e gostos adquiridos que saem sob pedidos.
Hoje vêm aqui buscar as preferidas e fingindo nada saber vou publicando.
Felicidade é reunir pessoas queridas à mesa e a melhor motivação para cozinhar.
Sempre em demanda de novos sabores, gosto de receitas simples, mas não me demovem os preparativos longos e os muitos passos das mais complicadas.
Continuo a seguir a preceito os pratos de chefs, acho pretensioso não o fazer, mas também experimento e crio as minhas receitas se é que as posso chamar assim.
O meu pai adepto da alimentação natural foi a pessoa mais influente na minha educação alimentar. Assim as prioridades desta cozinha vão para os produtos de qualidade, naturais e biológicos, os vegetais e o peixe. Não perco tempo a fazer bolos, compotas ou sumos, com fruta que não comeria, nem uso vinho em comida que não sirva para beber. 

As preferências-cozinhas do mundo, em especial mediterrânica, médio-oriente e de fusão.

Em 2011 mudámos para o Brasil. Vivemos 5 anos, divididos por São Paulo e Salvador da Bahia. 
Num país tão vasto com culturas tão diferentes, vi e vivi mais do que expectei. Actualmente com essas experiências incorporadas, tento adaptar-me de novo à vida em Lisboa.